terça-feira, 23 de abril de 2013

DF: agentes de saúde fazem operação tartaruga Categoria que reúne os agentes de combate à dengue e vigilância ambiental reivindica ganho de gratificações

s agentes de combate à dengue e vigilância ambiental entraram em indicativo de greve ontem. A categoria, representada pelo Sindivacs (Sindicato dos Agentes de Vigilância Ambiental em Saúde e Agentes Comunitários de Saúde), interrompeu a realização de diversos serviços e passou a fazer, em outros, a redução de trabalho, conhecida como operação tartaruga, como o combate à dengue.


Segundo o Sindivacs são cerca de 1500 agentes atuando em todo o DF, destes 400 se dedicam exclusivamente ao combate à doença. Em média, um agente de saúde visita 22 casas por dia para verificar a proliferação de mosquitos. Com a operação tartaruga, o serviço foi reduzido para apenas quatro.

Para a Secretaria de Saúde, no entanto, o trabalho de eliminação do mosquito não será prejudicado, já que mutirões têm sido realizados durante os finais de semana.

Outros programas 

Serviços de combate à dengue, porém, não são os únicos desempenhados pelos agentes. Foram completamente suspensas também as visitas aos contemplados do programa Bolsa Família, que têm de fazer um acompanhamento médico duas vezes por ano para continuar recebendo o auxílio.

Operações do Cartão SUS e da Carreta da Mulher também foram suspensas. “O que queremos é ter direito a gratificações e mudanças no regime de trabalho. Infelizmente essa é única forma de negociação que temos”, disse o secretário-geral do Sindivacs, Etieno de Sousa. O sindicato luta pelo cumprimento de um acordo assinado com o GDF em 2011.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde afirmou que, junto à Secretaria de Administração, tem buscado o diálogo com o Sindivacs. “Esperamos que a categoria entenda os avanços já estabelecidos e não prejudique o dia-a-dia da população”, afirmou o texto.