segunda-feira, 22 de abril de 2013

Cartão pré-pago não compensa, diz estudo Maioria dos que existem no mercado cobram taxa de adesão, taxa de recarga e taxa para saqu

Eles ainda não são muito comuns no Brasil, mas estão ganhando espaço. Os cartões pré-pagos vêm sendo oferecidos pelos bancos, principalmente, para quem quer controlar os gastos dos filhos. Um estudo da Proteste (associação de consumidores) alerta, no entanto, que eles não são vantajosos.

Leia mais notícias do Metro São Paulo

Os cartões funcionam mais ou menos como os dos celulares pré-pagos. O problema é que a maioria dos que existem no mercado cobram taxa de adesão, taxa de recarga e taxa para saque.

“Eles foram criados para as pessoas que não conseguem abrir uma conta corrente e para o uso da mesada”, explica Renata Pedro, técnica da Proteste. “Mas vale muito mais a pena para um pai ou uma mãe pedir um cartão extra ao gerente do banco, com saques limitados”, recomenda.

Confira outras edições do Metro pelo Brasil