quarta-feira, 17 de abril de 2013

Carta suspeita enviada a Obama contém ricina Outra carta enviada ao senador republicano Roger Wicker também continha o mesmo veneno A carta não chegou às mãos de Obama MANDEL NGAN / AFP


Uma carta suspeita dirigida ao presidente Barack Obama continha ricina e até agora não possui conexão com o atentado de Boston, informou o FBI. A carta, recebida na última terça-feira no centro de distribuição de correios da Casa Branca, que fica fora do complexo presidencial, foi colocada em quarentena pelos agentes do Serviço Secreto, pois "deu positivo para ricina" depois das primeiras análises realizadas nesta quarta-feira, indicou o FBI em um comunicado.

Na véspera, as autoridades postais dos Estados Unidos detectaram uma carta com ricina enviada ao senador republicano Roger Wicker. O veneno foi detectado durante uma inspeção de rotina em uma dependência externa do prédio do Congresso. A carta não chegou ao gabinete de Wicker no Capitólio, assinalou um colaborador, citando o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, que o informou sobre o incidente.

Roger Wicker é um republicano eleito pelo estado do Mississipi, considerado um político de baixo perfil, que não está especialmente envolvido nos sensíveis debates sobre a reforma migratória, ou sobre o porte de armas.

O diretor do FBI, Robert Mueller, e a secretária de Segurança Interior, Janet Reno, informaram os senadores sobre o incidente durante uma reunião a portas fechadas na terça-feira à noite. Segundo o assistente de Reid, o objetivo da reunião era fazer um relatório do atentado de Boston. Ainda não está claro se há conexão entre as duas explosões de Boston e o envelope com ricina.

Em fevereiro de 2004, o Senado e a Casa Branca foram alvo de um ataque com ricina, agente biológico enviado na forma de pó. O incidente não fez vítimas. No outono de 2001 (hemisfério norte), porém, ataques com antraz deixaram cinco mortos. O autor do crime nunca foi identificado.

Desde então, qualquer correspondência enviada para os parlamentares americanos é examinada fora do prédio do Capitólio, antes de ser entregue.