quinta-feira, 9 de maio de 2013

Alta de preços em saúde pressiona a inflação O Índice de Preços ao Consumidor na cidade de São Paulo, atingiu 0,31%, na primeira prévia de maio Entre os itens de maior influência estão os remédios, que ficaram em média 3,36% mais caros Monticello/Shutterstock/Arquivo


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, atingiu 0,31%, na primeira prévia de maio. Quatro dos sete grupos pesquisados apresentaram aumentos e a elevação mais expressiva ocorreu em saúde (de 1,31% para 1,58%). Entre os itens de maior influência  estão os remédios, que ficaram em média 3,36% mais caros.



Também foram constatadas altas em comparação ao fechamento de abril nos grupos transporte (de 0,28% para 0,30%), despesas pessoais (de -0,12% para 0,33%) e vestuário (de 0,19% para 0,30%). O impacto desses acréscimos sobre a média do IPC, no entanto, foi minimizado pelas redução das taxas dos demais grupos, principalmente dos itens alimentícios.

Desde o encerramento de março, o grupo alimentação tem apresentado redução na intensidade de aumentos. Nesta apuração, a taxa passou de 0,20% para 0,15%. Em habitação, o IPC caiu de 0,25% para 0,14% e, no grupo educação, de 0,18% para 0,10%